Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Botijão de gás tem variação de 42% em Campo Grande, diz pesquisa

Neste mês de março, o Procon de Campo Grande realizou uma pesquisa de preços do botijão de gás de cozinha de 13kg, o mais utilizado pelos consumidores da capital, e foi encontrado uma variação nos preços de 42% . No total, foram pesquisados 20 estabelecimentos comerciais.

O menor preço encontrado foi de R$ 95,00, no estabelecimento Vida Gás e Água no bairro Jardim Aero Rancho e, o maior R$ 135,00, no Mosko Gás Mata do Jacinto.

O Procon Municipal também realizou uma comparação na evolução dos preços entre os meses de janeiro de 2021 a março de 2022, referente ao menor, maior e a média dos preços. Foi constatado uma variação nesse período de 39,71% no valor do gás de cozinha. O menor preço encontrado em janeiro de 2021 foi de R$ 68,00, e o maior preço R$90,00.

O subsecretário do Procon Municipal, Cleiton Thiago, dá dicas de como o consumidor pode economizar no gás de cozinha. “Negocie com o revendedor para conseguir um desconto à vista e na taxa de entrega, lembre-se de sempre exigir nota fiscal, que é uma garantia que o botijão do estabelecimento está regulado pela ANP; evite correntes de ar na cozinha; prefira cozinhar com as panelas tampadas; cuide da manutenção do seu fogão, as chamas devem apresentar a cor azulada, a coloração amarelada é sinal de que os queimadores estão sujos ou desregulados, o que aumenta o consumo de gás.”

Além disso, o subsecretário também orienta que os consumidores façam pesquisas de preços antes da compra e estejam atentos à eventuais promoções.

Para mais informações e esclarecimentos o consumidor pode entrar em contato pelo telefone 2020-1231. Para denúncias disque 156, opção 2 ou se dirigir à sede do Procon Municipal na Avenida Afonso Pena, 3128, de segunda a sexta-feira, das 07:30 às 11h, das 13h às 17:30.

A pesquisa completa pode ser acessada por meio do link a seguir: https://www.campogrande.ms.gov.br/procon/downloads/planilha-pesquisa-gas-de-cozinha-marco/

Colunas