Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Estudantes ficam fascinados com riqueza da fauna e arquitetura do Bioparque Pantanal

Após uma espera de 11 anos, o Bioparque Pantanal recebeu nesta quarta-feira (30) a primeira visita guiada. Para cerca de 300 estudantes de Ensino Médio, do 1º ao 3º ano, da Escola Estadual Lúcia Martins Coelho, a aula foi diferente: eles tiveram o privilégio de conhecer o maior aquário de água doce do mundo, um complexo construído no Parque das Nações Indígenas, em Campo Grande.

“Estou achando muito bom, maravilhoso! Está sendo um privilégio ser um dos primeiros a conhecer. É a melhor coisa do mundo! Muito lindo, muito lindo, muito lindo! Perfeito!”, disse Yago Luiz, aluno do 1º ano. 

Além da riqueza da fauna, com peixes e répteis, a arquitetura arrojada do aquário chamou a atenção dos adolescentes. A estudante Suelen Goulart, 17, do 3º ano, aproveitou para fazer muitos vídeos e fotos. “É uma sensação muito boa, esse prestígio de estar aqui! Estou gostando muito! Gostei bastante da estrutura”, avaliou.

Para Eduarda Rodrigues, 15, aluna do 1º ano do Ensino Médio, o Bioparque Pantanal é digno de elogios. “É uma coisa incrível! Eu achei tudo muito lindo, a estrutura, a arquitetura está impecável. Demoraram tantos anos para fazer isso, mas está impecável”.

“Achei fantástico! É muito legal a gente poder conhecer sobre os peixes e saber também da nossa cultura. Achei o aquário muito lindo!”, declarou Samara Nicolau, do 3º ano. A parte que ela mais gostou foi o museu, que mostra fósseis de animais que habitaram a planície pantaneira. 

Já Ludimila, 16, aluna do 1º ano, preferiu a parte do túnel, em que o visitante tem a sensação de estar dentro da água. “Gostei bastante! A gente tem que ter contato com a natureza, com os peixes. O que eu gostei mais foi do túnel, achei muito interessante. Eu me surpreendi bastante! Também gostei bastante das cores, vibrantes!”, disse.

Responsável por concluir a obra, o secretário de Infraestrutura, Eduardo Riedel, fez questão de recepcionar os alunos. “Nós fizemos questão que fossem os nossos alunos da Rede Estadual de Ensino, junto com os nossos professores, os primeiros a virem aqui para uma visita guiada. Aqui nós vamos ter novos turismólogos, engenheiros, arquitetos, químicos que vão ter uma experiência única no Brasil”, contou Riedel. 

Para o diretor da escola, Marcio Beretta Cossato, a visita proporciona um momento importante de aprendizado. “É um momento único na vida dos alunos. É uma experiência inovadora. Com certeza, essas atividades que eles desenvolvem em sala, vão poder fazer uma relação com as atividades desenvolvidas pelo aquário, em relação à pesquisa e à ciência. Tudo isso dá para trabalhar de forma articulada”, explicou.

É o mesmo entendimento da secretária de Educação, Maria Cecília Amendola da Motta. “Eles podem vivenciar todo bioma do Pantanal, toda parte de história, geologia, biologia, química, os laboratórios trabalham com tudo, com a física. Nós estamos com núcleo da Educação Ambiental aqui dentro até para orientar os meninos e é super importante o momento de hoje”, afirmou.

O secretário de Governo e Gestão Estratégica, Eduardo Rocha, destacou a importância desse momento. “É gratificante ver que tudo isso que o Governo do Estado entregou agora realiza na prática seu objetivo e sua missão. E começar com alunos das escolas estaduais é mais significativo ainda, porque promove o conhecimento, além do entretenimento e lazer para esses jovens. É legado deste Governo para toda a população, principalmente para a nossa juventude”.

A obra

O Bioparque do Pantanal é um complexo com 19 mil m² de área construída e um centro de referências em pesquisas com 33 tanques, sendo 23 internos e oito externos, além de um tanque de abastecimento e outro de descarte de efluentes, totalizando um volume de cinco milhões de litros de água. A estrutura foi inaugurada com 12 mil peixes e répteis, mas o número será ampliado. A capacidade é de 30 mil animais. 

Projetado por Ruy Ohtake, o complexo foi inaugurado na segunda-feira (28). A obra foi iniciada há 11 anos e chegou a ficar paralisada, mas foi retomada dentro do programa Obra Inacabada Zero, após a criação de um grupo de trabalho – formado por representantes de Governo do Estado, Assembleia Legislativa (Alems), Tribunal de Justiça (TJMS), Tribunal de Contas (TCE), Ministério Público Estadual (MPE), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/MS) e Procuradoria Geral do Estado (PGE) – que deu mais transparência aos gastos com a construção.

As primeiras visitas institucionais estão sendo feitas como um teste para a equipe que está cuidando do Bioparque. Para o público em geral, a visitação ainda não foi aberta e será necessário fazer um cadastro em um site que será inaugurado em abril. Todo o passeio será gratuito até 31 de dezembro de 2022. 

Colunas