Novo Coronavírus SARS-CoV-2 Micrografia eletrônica de varredura colorida de uma célula infectada com uma cepa variante de partículas do vírus SARS-CoV-2 (laranja), isolada de uma amostra de paciente. Imagem capturada no Centro de Pesquisa Integrada (IRF) do NIAID em Fort Detrick, Maryland. Crédito: NIAID
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

OMS batiza nova cepa da África de Omicron: “Variante de preocupação”

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou, nesta sexta-feira (26/11), a variante B.1.1.529 do novo coronavírus, identificada na África, como uma Variante de Preocupação (VOC), considerada mais crítica.


Em uma reunião feita a portas fechadas, em Genebra, para avaliar a nova variante, também ficou estabelecido que ela passa a ser denominada de Omicron. O nome faz referência à 15ª letra do alfabeto grego, seguindo uma tendência da OMS.


De acordo com o Grupo de Aconselhamento Técnico sobre a evolução do vírus SARS-CoV-2 (TAG-VE) da OMS, “a evidência preliminar sugere um risco aumentado de reinfecção com esta variante, em comparação com outros VOCs”.

“Esta variante apresenta um grande número de mutações, algumas das quais preocupantes”, informou em um comunicado.”

Variantes de Preocupação

A OMS classifica as variantes em dois grupos: Variante de Interesse (VOI) e Variante de Preocupação (VOC).

Para ser considerada como variante de preocupação, elas devem estar relacionadas ao aumento da transmissibilidade ou alteração prejudicial na epidemiologia da Covid-19; ou aumento da virulência ou alteração na apresentação clínica da doença; ou à diminuição da eficácia da saúde pública e medidas sociais ou diagnósticos, vacinas, terapêuticas disponíveis.

Novos casos de Omicron

Nas últimas semanas, o número de casos de Covid-19 aumentou significativamente na África do Sul, coincidindo com a detecção da variante B.1.1.529. A primeira infecção relacionada à cepa confirmada foi de uma amostra coletada em 9 de novembro.

“Há uma série de estudos em andamento e o TAG-VE continuará avaliando essa variante. A OMS comunicará as novas descobertas aos Estados Membros e ao público, conforme necessário”, informou a entidade.


Com informações: metropoles.com

Colunas