Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Assomasul prestigia inauguração do Bioparque do Pantanal

Presidente da Assomasul, Valdir Junior, prefeito de Nioaque, participou hoje ao lado de vários prefeitos e prefeitas, da inauguração do Bioparque do Pantanal. O complexo localizado nas dependências do Parque das Nações, possui 19 mil m² e abriga o maior aquário de água doce.

Localizado nas dependências do Parque das Nações Indígenas, em Campo Grande, o Bioparque do Pantanal abriga o maior aquário de água doce do mundo. Com a entrega, os benefícios vão além do fortalecimento do turismo de Mato Grosso do Sul, tornando-se um centro de referências em pesquisas.

O Bioparque Pantanal conta com 33 tanques, sendo 23 internos e oito externos, além de um tanque de abastecimento e outro de descarte de efluentes, totalizando um volume de cinco milhões de litros de água. O complexo ainda oferece um museu interativo, biblioteca, auditório com capacidade para 250 pessoas, sala de exposição e laboratórios de pesquisa para estudantes, cientistas e pesquisadores.

Prefeitas acompanhando a inauguração ao lado do secretário Eduardo Riedel (Foto: Edson Ribeiro)

Para o presidente da Assomasul, a entrega dessa obra é uma oportunidade para aumentar a capacidade turística do estado também na capital, assim como tornar o complexo  um centro de referência de pesquisas. “Essa obra vai aumentar o potencial turistíco e também científico do estado, dando visibilidade de Mato Grosso do Sul para todo o país e também para o mundo”, afirmou Valdir Junior.

A obra

O principal atrativo do Bioparque Pantanal é o circuito que forma o maior aquário de água doce do mundo, onde o visitante terá contato com as principais espécies de peixes do Pantanal e dos 5 continentes. A cenografia dos tanques é de autoria do artista plástico, cenógrafo e ambientalista, Roberto Alves Gallo, reproduzindo cada ambiente conforme pode ser visto abaixo.

O Bioparque oferece também um ambiente aberto que representa o Pantanal na sua forma “bruta”, possibilitando contato com animais típicos do bioma como o jacaré vivendo ao ar livre. Uma passarela ainda na área externa conduz ao mirante de contemplação de aves e outros animais em seu habitat natural, o Parque das Nações Indígenas.

Além do turismo

O Bioparque Pantanal oferece um novo conceito que une educação, pesquisa e conservação, promovendo projetos de pesquisa e conservação de espécies, valorizando o bem-estar dos animais e orientando seus visitantes pela educação ambiental. O museu, laboratórios de educação ambiental e pesquisa científica e centro de convenções, proporcionam um conjunto de atividades e experiências, de maneira inovadora, dinâmica e viva.

Visitação

A diretora do Bioparque Pantanal, Maria Fernanda Balestieri, destaca que a visitação aberta ao público em geral terá início no dia 1º de maio e os primeiros 30 dias após a inauguração serão de treinamento, com agendas internas e institucionais.

“Está sendo elaborada uma plataforma por onde a população poderá se cadastrar para visitar o Bioparque. Serão visitas guiadas, segmentadas. A visita será feita com um guia-chefe e dez condutores, as pessoas vão se cadastrar e será emitido um voucher com dia e horário da visita”, afirmou.

A visitação será gratuita até o último dia do ano e a capacidade diária será de 300 pessoas, 150 pela manhã e 150 à tarde.

Colunas