Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Em comemoração aos 24 anos da MSGÁS, colaboradores da empresa visitam Bioparque Pantanal

Na quinta-feira (12), colaboradores da MSGÁS (Companhia de Gás do Estado de Mato Grosso do Sul) fizeram uma visita guiada ao Bioparque Pantanal – Espaço de Experiência e Conhecimento, onde o encantamento e contemplação foram registrados durante todo o percurso. O passeio, no maior complexo de água doce do mundo, foi uma cortesia concedida aos funcionários da companhia, como parte das comemorações  dos 24 anos de empresa.

O museu da biodiversidade apresenta uma exposição itinerante com fósseis da serra do Araripe como peixes, plantas e insetos, além de fragmentos de animais coletados por pescadores.

“O complexo do Bioparque coloca Mato Grosso do Sul no cenário internacional, como maior circuito de aquários de água doce do planeta. Isso é uma conquista para o Brasil e projeta nossa região no cenário global do ecoturismo. Além disso, o espaço vai atrair o turismo de eventos, pois teremos potencial de desenvolver em Campo Grande um centro de referências em pesquisas relacionadas ao bioma”, comenta Rui Pires, diretor-presidente da MSGÁS.

Passaram pelos 23 tanques internos que abrigam espécies pantaneiras e de continentes como Europa, Ásia e África. Na parte externa, os colaboradores conheceram outras espécies de peixes e a representação de uma baía pantaneira. 

O Aquário do Pantanal, além de ponto turístico, também é centro de pesquisa da fauna pantaneira sul-mato-grossense. O local é equipado com laboratórios, bibliotecas e acervos históricos.

O equipamento teve um investimento total de R$230 milhões, contando com 19 mil m² de área construída, 33 tanques, sendo 23 internos e oito externos, além de um tanque de abastecimento e outro de descarte de efluentes.

O Bioparque tem aproximadamente 230 espécies de peixes, além de animais como jacaré e sucuri. Além disso, abrigará 151 espécies pantaneiras, 55 da Amazônia, 14 africanas e cardumes da Oceania, Ásia e América Central.

Colunas