Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

No Uruguai, senadores brasileiros discutem políticas para o Mercosul

Senador Nelsinho Trad – presidente da Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul

Os senadores Nelsinho Trad (PSD-MS), Fabiano Contarato (Rede-ES), Eliziane Gama (Cidadania-MA), Soraya Thronicke (PSL-MS) e Humberto Costa (PT-PE) estão em Montevidéu, no Uruguai, onde participam de encontro de parlamentares dos países que compõem o Mercosul, realizado na segunda (6) e terça-feira (7) 

O presidente da Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul (Parlasul), Nelsinho Trad, informou que uma das propostas discutidas declara a agricultura familiar, camponesa e indígena de interesse regional. A intenção é implementar políticas públicas de agroecologia, promoção da igualdade de gênero e o desenvolvimento sustentável e integral da mulher rural. 

Também foi debatida uma proposta de declaração para que a Universidade Latino-Americana de Integração (Unila) contrate docentes latino-americanos. Nelsinho aproveitou a viagem para conhecer obras da nova sede da instituição, que deve ser inaugurada em 2022. 

Formado por senadores e deputados do Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Bolívia, o Parlasul se reuniu no Uruguai pela última vez em 8 de novembro, quando foram aprovadas a criação de uma escola de governo e de uma comissão temporária para acompanhar o Acordo de Associação Bi-regional Mercosul-União Europeia. 

Fome

Na sessão da segunda-feira (6), Humberto Costa relatou problemas do Brasil como a fome. Segundo afirmou, 20 milhões de pessoas não têm o que comer atualmente no país. Para o senador, o governo federal aplica uma “política econômica equivocada” levando 116 milhões de brasileiros a viverem em situação de insegurança alimentar. 

— Consequências nefastas, especialmente para crianças. Reflexo de um governo canhestro, preocupado com armas, enquanto brasileiros e brasileiras disputam ossos jogados no lixo —ressaltou. 

Posse

Eliziane e Contarato tomaram posse oficialmente como membros do Parlasul na segunda-feira. Nas redes sociais, o senador agradeceu a acolhida do grupo e comentou a importância de discutir temas referentes a educação, direitos humanos, infraestrutura, bem como as pautas econômicas para os países membros. 

“Estamos juntos na construção de uma América Latina mais forte, mais justa, mais desenvolvida e mais inclusiva. A capacidade de indignação também une os povos. É nosso dever garantir o bem-estar de todos e lutar contra todos os tipos de discriminação”, escreveu o senador. 

Outras pautas

Os parlamentares analisaram ainda outros projetos, como o que trata da proteção e restauração de bacias hidrográficas, da reconstrução de ferrovias inundadas e da implantação de ferrovias interoceânicas. Também foi debatida uma proposição na qual o Parlasul pretende promover a unidade dos povos e a nomenclatura “América Latina Unida” em espaços públicos dos países que integram o bloco.

Com informações: Agência Senado

Colunas