dia-mundial-da-hemofiliaFoto-Joilson-Francelino-730x480-1

Dia Mundial da Hemofilia: tratamento adequado garante qualidade de vida

O Dia Mundial da Hemofilia, lembrado nesta quarta-feira (17), marca a importância da conscientização sobre a doença para o diagnóstico precoce. Com o tema “Vivendo cuidadosamente com hemofilia: cuidado integral e saúde mental”, a campanha deste ano tem como propósito incentivar as pessoas com hemofilia e seus familiares a buscar informações sobre o tratamento, conhecer seus direitos e qual caminho percorrer para obtê-los.

O presidente da Aphems (Associação de Pessoas com Hemofilia do Mato Grosso Do Sul), Neder Gustavo dos Santos, é portador de Hemofilia A grave. Hoje, aos 42 anos de idade, Neder conta que teve seu diagnóstico aos 5 anos e, desde então, já passou por diversos tratamentos.

“Na realidade, à época, não tínhamos as medicações que são disponibilizadas gratuitamente hoje pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Basicamente era transfusão de sangue quando eu tinha as hemorragias”, conta.

Grande parte dos pacientes que ficaram sem tratamento no passado desenvolveram sequelas ortopédicas e vivem com um quadro crítico de dor.

No estado, o tratamento avançou muito depois da abertura do Ambulatório de Hemofilia do HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul), em abril de 2022. De acordo com Erika Rosa, enfermeira do setor, atualmente os pacientes hemofílicos iniciam o tratamento nos primeiros anos de vida.

“Eles chegam aqui muito novos, nos primeiros anos de vida. E por ser uma doença que não tem cura, os pacientes recebem o acompanhamento desde bebê até a vida adulta. Além do acompanhamento, os pacientes e familiares são treinados para aplicar a medicação em casa”, disse.

Um desses pacientes é o jovem Caio Garcia de Oliveira Lisboa, de 18 anos, que foi diagnosticado com Hemofilia A aos 3 anos de idade. Ele iniciou o tratamento cedo, porém, teve uma pausa e retomou em 2023. “Nesse tempo tive anemia e retomei o atendimento logo em seguida”, relatou. A hemofilia de Caio é considerada leve, ele só precisa de medicação quando há intercorrências hemorrágicas, o que não o impede de ter uma vida ativa como qualquer adolescente.

Há 10 anos trabalhando com pacientes com hemofilia, a profissional de educação física, Sandra Marina Duailibi Camillo, explica que com a profilaxia e seguindo as devidas recomendações, o paciente pode fazer diversas atividades. Sandra dá aulas de natação para crianças e aulas de hidroginástica/hidroterapia para adultos por meio de parceria firmada entre a Rede Hemosul MS e CER/Apae (Centro Médico e de Reabilitação da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) de Campo Grande.

“Somos poucos profissionais de educação física nesse tratamento que é de suma importância para eles, pois sentem muitas dores das hemoartroses. Por isso, necessitam de fortalecimento muscular para ajudar no tratamento e evitar sangramentos”, explica.

Conforme a coordenadora-geral da Rede Hemosul MS, Marina Sawada Torres, o diagnóstico precoce reduz muito a sequelas. “A Rede Hemosul tem um papel essencial, pois é através da Rede que os medicamentos fornecidos pelo Ministério da Saúde chegam aos pacientes. Temos ainda o ambulatório de hemofilia localizado no Hospital Regional, onde são realizados os atendimentos e acompanhamento aos pacientes “.

O tratamento das Coagulopatias no Mato Grosso do Sul é realizado no município de Campo Grande e em outros três Hemonúcleos, onde são dispensados medicamentos:

  • Hemocentro Coordenador de Campo Grande: Hemosul coordenador;
  • Hemonúcleo Dourados;
  • Hemonúcleo Três Lagoas; e
  • Hemonúcleo Coxim.

Diferente dos demais estados do país, a dispensação de medicamentos em Mato Grosso do Sul é realizada no próprio município onde o paciente reside. Desta maneira, não é necessário se locomover até o Hemosul coordenador ou Hemonúcleo para a retirada, pois o medicamento é enviado para um hospital ou hemocentro local.

Os portadores de coagulopatias do estado realizam as infusões venosas para reposição de Fator, que é uma proteína do sangue a qual os enfermos possuem deficiência.

O ambulatório de Hemofilia do HRMS conta com atendimento médico hematológico, ortopedista, enfermagem, técnico de enfermagem, educadora física e assistente social.

O que é Hemofilia?

A hemofilia é uma doença genética que afeta a coagulação do sangue, uma desordem congênita na maior parte das vezes, pois pessoas com hemofilia já nascem com a alteração que causa a doença.

Em 70% dos casos, a mutação genética causadora da hemofilia já está presente na família e é transmitida pelas mães portadoras aos filhos. Nos outros 30%, a doença surge em uma família sem histórico de hemofilia, sendo causada por uma mutação genética nova.

A Hemofilia, portanto, acontece quando uma pessoa nasce com deficiência na atividade de um dos Fatores (proteínas) responsáveis pela coagulação do sangue. A deficiência na atividade do Fator VIII configura a Hemofilia A, e a deficiência na atividade do Fator IX configura a Hemofilia B.

Estas pessoas apresentam sangramentos que demoram muito mais tempo para serem controlados, pois o organismo não tem condições de produzir adequadamente o coágulo que é responsável por estancar o sangramento.

Em geral, são hemorragias intramusculares e intra-articulares que, primeiro, desgastam as cartilagens e depois provocam lesões ósseas. Os principais sintomas são dor forte, aumento da temperatura e restrição de movimento. As articulações mais comprometidas costumam ser joelhos, tornozelos e cotovelos.

Os episódios de sangramento podem ocorrer logo no primeiro ano de vida do paciente sob a forma de equimoses (manchas roxas), que se tornam mais evidentes quando a criança começa a andar e a cair.

Ao suspeitar da doença, o paciente deve procurar atendimento com um médico hematologista ou o Hemocentro mais próximo da sua residência.

Fonte:, Comunicação Funsau/HRMS

VACINACAO_SHOPPING-2

Prefeitura faz plantão de vacinação em unidades e shoppings durante o feriado e fim de semana

A Prefeitura de Campo Grande, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), realiza plantão de vacinação neste feriado de Páscoa e no fim de semana em unidades de saúde e shoppings, com objetivo de ampliar o acesso da população às vacinas contra diversas doenças.

Na sexta-feira, dia 29 de março, a UBS Aero Rancho e 26 de Agosto atendem à população das 7h às 17h.

No dia 30 de março, sábado, às unidades de saúde da USF Serradinho e USF São Francisco estarão disponíveis das 7h às 17h, além dos shoppings Pátio Central, das 9h às 16h, e Bosque dos Ipês, das 10h às 17h. No domingo, dia 31, apenas o shopping Bosque dos Ipês estará vacinando, das 10h às 17h.

A secretária municipal de Saúde, Rosana Leite de Melo, destaca a importância da população se vacinar: “As vacinas são uma das principais ferramentas que temos para prevenir doenças e proteger a saúde de todos. É fundamental que cada cidadão faça a sua parte, mantendo seu calendário de vacinação em dia e contribuindo para a construção de uma comunidade mais saudável e segura para todos”, finaliza.

Todas as vacinas do calendário estarão sendo disponibilizadas, incluindo contra a Gripe, Covid e Dengue. No entanto, especificamente a vacinação contra a Dengue não será realizada nos shoppings, conforme orientação do Ministério da Saúde, que restringiu a imunização contra a doença às unidades de saúde.

teste-covid-2-730x425-1

Com 641 novos casos de covid, MS já registra mais de 4,7 mil notificações em 2024

Mato Grosso do Sul já registrou 4.746 casos de Covid-19 em 2024. Além dos casos de contaminação, houve ainda 34 óbitos devido à doença. Estes dados foram apresentados no boletim referente à nona semana epidemiológica, divulgado pela SES (Secretaria de Estado de Saúde) nesta terça-feira (5).

Segundo o documento, 641 novos casos foram notificados nos últimos 7 dias, o que representa uma redução quando comparado à semana anterior, que somou 776 casos. Nesta semana, ainda foram registrados 8 óbitos devido à doença, maior número desde o início do ano. 

Os novos casos ocorreram em 63 cidades e Naviraí foi responsável pela maior parte das ocorrências, com 79 novos casos. No ranking, o município é seguido por Chapadão do Sul (73), Dourados (70), Três Lagoas (53), Brasilândia (48), Santa Rita do Pardo (43) e Campo Grande (40).

Além disso, os últimos óbitos registrados ocorreram em Paranaíba, Dourados, Três Lagoas, Naviraí, Chapadão do Sul, Costa Rica, Aparecida do Taboado e Bataguassu. Entre as vítimas, a maioria pertencia aos grupos de risco de pessoas idosas e com comorbidades.

A orientação das autoridades é que as pessoas mantenham a vacinação em dia e completem o ciclo de imunização contra a Covid-19. Além disso, a SES mantém o Plantão CIEVS (Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde) Estadual pelos telefones 0800-647-1650, (67) 3318-1823 e (67) 98477-3435.

COMBATE-A-DENGUE-IMOVEIS-ABANDONADOS-2

Ação entre Sesau e GCM realiza extermínio de criadouros do Aedes em imóveis abandonados

Uma parceria entre a Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) e a Guarda Civil Metropolitana (CGM) garantiu, na manhã desta quinta-feira (22), o extermínio de criadouros do Aedes aegypti, que pode transmitir a dengue, zika e chikungunya, em imóveis abandonados na região da antiga rodoviária.

Como há a circulação de usuários de entorpecentes nestes locais que podem se apresentar agressivos, a equipe da guarda esteve acompanhando os agentes de combate de endemias (ACEs) para garantir a segurança de todos os servidores.

“Nossa equipe entra no imóvel antes dos agentes e realiza a vistoria se há alguém lá dentro. Em apenas uma das situações havia gente dentro do imóvel que, assim que pedimos para se retirar, ele saiu de prontidão”, explica o GCM Jary Muzili.

Em todos os imóveis vistoriados pelas equipes do CCEV foram encontrados focos do mosquito, conforme o coordenador do setor, Vagner Ricardo. Além da vistoria, nos locais onde não havia como realizar o descarte do criadouro, como é o caso de bueiros, foram colocados larvicidas.

“Essa não é uma ação pontual, devemos continuar aqui na região central, já que existe uma grande quantidade de imóveis abandonados”, completa Vagner. Ele ainda lembra que, além do extermínio desses depósitos de água e criadouros, os proprietários dos imóveis também serão identificados e notificados.

WhatsApp-Image-2024-02-22-at-14.03.21-730x480-1

Segunda remessa chega e MS recebe mais de 3,7 mil doses da vacina contra a dengue

O Governo de Mato Grosso do Sul, por meio da SES (Secretaria de Estado de Saúde), recebeu no início da tarde desta quinta-feira (22) mais 3.784 doses de imunizantes contra a dengue. A segunda remessa da vacina contempla os municípios de Corumbá e Ladário, fechando em 100% de abrangência dos municípios que receberam o imunizante no Estado.

Conforme a coordenadora de Imunização da SES, Ana Paula Rezende Goldfinger, com a chegada das vacinas ao Estado as mesmas já estão disponíveis para a retirada pelos municípios contemplados nesta segunda fase de distribuição pelo Ministério da Saúde. “Vamos entregar assim que o município puder vir buscar”.

Com isto, o estado será o primeiro do país a ter todos seus municípios contemplados com a vacina. Dourados já tinha recebido doses na fase de pré-vacinação nacional, em estratégia própria. Depois, quando as doses começaram a ser distribuídas em massa, 76 municípios do Estado foram contemplados.

Ao todo, Mato Grosso do Sul já recebeu do Ministério da Saúde 73.354 doses do imunizante.

Público-alvo

O Ministério da Saúde orienta que o imunizante deve ser usado em crianças de 10 a 11 anos, faixa etária que concentra o maior número de hospitalização por dengue. Assim, o esquema vacinal será composto por duas doses com intervalo de três meses entre as doses.

A recomendação é que a vacinação seja iniciada pela administração de D1. As demais doses para D2 serão enviadas posteriormente, considerando o intervalo recomendado de três meses entre as doses

A distribuição das doses pelo Ministério da Saúde aos municípios foi determinada com base em três critérios principais: o ranqueamento das regiões de saúde e municípios, o quantitativo necessário de doses para a população-alvo conforme a disponibilidade (prevista pelo fabricante) e o cálculo do total de doses a serem entregues em uma única remessa ao município.

Atendimento por macrorregião

No dia 10 de fevereiro, Mato Grosso do Sul recebeu 69.570 doses de vacina contra a dengue sendo distribuídas em três macrorregiões de saúde, sendo:

  • Macrorregião de Dourados, com exceção do município de Dourados que já foi contemplado com outra estratégia.
    Receberam os seguintes quantitativo de imunizantes: Caarapó (936 doses), Deodápolis (369), Douradina (172), Fátima do Sul (495), Glória de Dourados (259), Itaporã (793), Jateí (108), Laguna Carapã (231), Rio Brilhante (1.198), Vicentina (153), Eldorado (324), Iguatemi (410), Itaquiraí (575), Japorã (396), Juti (246), Mundo Novo (546), Naviraí (1.466), Anaurilândia (197), Angélica (298), Batayporã (273), Ivinhema (730), Nova Andradina (1.355), Novo Horizonte do Sul (129), Taquarussu (102), Amambai (1.355), Antônio João (313), Aral Moreira (395), Coronel Sapucaia (523), Paranhos (602), Ponta Porã (2.859), Sete Quedas (320) e Tacuru (379).
  • Macrorregião de Três Lagoas: Aparecida do Taboado (707), Cassilândia (497), Inocência (209), Paranaíba (1.025), Água Clara (572), Bataguassu (675), Brasilândia (306), Santa Rita do Pardo (206), Selvíria (225) e Três Lagoas (3.896).
  • Macrorregião de Campo Grande: Campo Grande (24.639 doses), Costa Rica (771), São Gabriel do Oeste (834), Maracaju (1.223), Jardim (731), Coxim (929), Guia Lopes da Laguna (297), Sidrolândia (1.435), Pedro Gomes (182), Chapadão do Sul (945), Rochedo (156), Anastácio (739), Camapuã (338), Bonito (715), Figueirão (108), Nova Alvorada do Sul (764), Aquidauana (1.460), Jaraguari (209), Miranda (883), Dois Irmãos do Buriti (338), Sonora (434), Ribas do Rio Pardo (746) Alcinópolis (115), Caracol (149), Corguinho (161), Bela Vista (683), Rio Verde de Mato Grosso (549), Paraíso das Águas (184), Terenos (506), Rio Negro (129), Nioaque (390), Porto Murtinho (463), Bodoquena (269) e Bandeirantes (221).
  • Macrorregião de Corumbá: Corumbá (3.060) e Ladário (724).

Fonte: Comunicação SES

IMG_4815-scaled-e1708119803674-730x480-1

Ato de amor: a luta para combater a desinformação e aumentar o estoque do banco de leite humano

No momento 35 bebês estão internados na UTI Neonatal (Unidade de Terapia Intensiva) do HRMS (Hospital Regional Rosa Pedrossian) em Campo Grande. O nascimento antes da hora requer cuidados especiais para o desenvolvimento dos prematuros até a tão esperada alta hospitalar, incluindo alimentação com o leite materno, mas os estoques estão em baixa.

O Banco de Leite do hospital conta atualmente com 30 doadoras cadastradas. O ideal seria o dobro, cenário que a técnica responsável pela pasteurização não vê há 15 anos.

Rosemeire Souza, a Rose, cuida da banco de leite há mais de duas décadas

Rosimeire Souza Rodrigues, conhecida como dona Rose, desenvolve a função há mais de duas décadas e lamenta ter visto as doações caírem tanto. “Chegamos a ter uma única mãe doando 3 litros por semana”, lembra.  

As gavetas do refrigerador onde ficam armazenadas as doações estão quase todas vazias. Para a enfermeira responsável pelo banco, Nívea Lorena Torres, o principal entrave ainda é a desinformação.

“O ideal é conversar sobre aleitamento materno durante o pré-natal, mas apenas 40% das pacientes que atendemos fazem acompanhamento com a gente antes do parto. O restante é demanda espontânea. Após o nascimento dos bebês fica mais difícil trabalhar a conscientização”, explica.

Nívea Torres, enfermeira responsável pelo Banco de Leite Humano do HRMS

Ela lembra que é preciso oferecer também um apoio emocional por conta de uma série de outras questões envolvidas. Existem muitas preocupações após o parto, mães preocupadas com filhos que deixaram em casa, por exemplo. 

De acordo com a enfermeira, um litro de leite humano pode alimentar até 10 bebês na UTI Neonatal por dia. “Com os estoques em baixa é preciso fazer escolhas de quais bebês precisam mais. Aí complementamos com as fórmulas, mas o ideal era ter a quantidade necessária para todos”, lamenta.

O leite humano é importante para o desenvolvimento dos recém-nascidos porque contém todos os nutrientes necessários, além de ser rico em anticorpos que fortalecem o sistema imunológico e previnem infecções. 

Bianca Stavis Conte, médica da UTI Neonatal do HRMS

A médica neonatologista Bianca Stavis Conte vivencia a angústia das mães que acompanham os filhos prematuros internados no hospital e a comemoração a cada ganho de peso dos bebês.

Ela explica que entre as tantas vantagens do leite humano está a prevenção à doença do intestino prematuro, chamada enterocolite.

“O leite materno tem anticorpos que nenhuma fórmula tem. A fórmula imita o leite, mas não tem as propriedades imunológicas dele. É mais difícil de ser digerida. Trata-se de uma opção. Não é o ideal”, explica.

Guaracyara Nascimento dos Santos, uma das doadoras do Banco de Leite do HRMS (Foto: Álvaro Rezende)

A dona de casa Guaracyara Nascimento dos Santos, de 31 anos, acompanha a filha prematura Eloah Vitória internada no Hospital Regional desde que nasceu em 22 de janeiro. Os outros dois filhos estão em Aquidauna, cidade onde a família mora. A caçula nasceu com 30 semanas de gestação e se alimenta do leite da mãe que também doa para outros bebês.

“Vejo os avanços no desenvolvimento da minha filha com o leite materno e ser uma doadora é um ato de amor. É preciso estímulo, perseverança, não podemos desistir. Os bebês são guerreiros”, diz emocionada, com os olhos cheios de lágrimas.

Letícia Barreto da Silva amamenta as filhas gêmeas internadas no HRMS (Foto: Álvaro Rezende)

No leito quase ao lado de Guaracyara, está outra mãe, a jovem Letícia Barreto da Silva, de 18 anos. Ele deu à luz duas meninas, Heloa e Eloísa. As gêmeas nasceram de 35 semanas no dia 9 deste mês. A mãe está amamentando e comemora o desenvolvimento das filhas: “elas estão ganhando peso, já engordaram bastante”.

Quem se interessar em doar deve entrar em contato com o Banco de Leite Humano do Hospital Regional pelo número (67) 33782715. Presencialmente ou por este contato são repassadas todas as orientações para as doadoras fazerem um cadastro. A partir daí a unidade móvel de captação percorre uma rota semanal para fazer a coleta das doações.

Equipe do Banco de Leite Humano do Hospital Regional (Foto: Álvaro Rezende)

Fonte: Comunicação Governo de MS

combate-a-dengue_terreno_divulgacao-gov-04-fev-2024-730x480-1

Dicas simples podem ajudar na prevenção contra dengue na sua residência

Dicas simples podem ajudar na prevenção contra dengue dentro da sua residência e assim evitar que sua família seja vítima da doença. São atitudes e medidas que aos serem adotadas no seu dia a dia farão a diferença para toda sociedade. 

A principal forma de se prevenir contra dengue é reduzir a infestação do mosquito Aedes aegypti, que é o responsável por transmitir o vírus. Eliminar o criadouro é fácil e pode ser feito em pouco tempo, adotando ações simples do cotidiano.

Evitar água parada em pneus, latas e garrafas vazias sempre é importante, assim como cuidar as plantas e vasos, potes e outros objetivos que acumulam água. Realizar a limpeza regular da caixa d’água e sempre mantê-la fechada, com tampa adequada também entra nesta lista. O cuidado com a sua residência, terreno e lote vai fazer a diferença no combate à doença.

Outro ponto citado por especialistas é a verificação das calhas, retirando por exemplo folhas, galhos e tudo que possa impedir a água de correr por elas. Colocar lixo em sacos plásticos e manter a lixeira fechada, assim como eliminar entulhos do seu quintal. O pote de água para seu animal de estimação também deve ser trocado com frequência.

Ações simples como eliminar copinhos plásticos, tampas de refrigerante e sacos abertos que possam acumular água ajudam no combate à dengue. Piscinas que não estiverem em uso podem ser cobertas para evitar a proliferação dos mosquitos. Tampar os ralos é mais uma medida recomendada.

Se tiver ocorrendo obras na residência sempre é bom estar atento a equipamentos como lonas, carrinhos de mão, betoneiras para não acumularem água. Na lista ainda aparece as limpezas da bandeja externa da geladeira e da bandeja coletora de água do ar-condicionado.

Outras medidas

Para sua proteção individual os repelentes também são recomendados, pois podem evitar as picadas dos mosquitos. A composição do produto indica o tempo de proteção e necessidade da reaplicação. Caso for aplicar outros itens como protetor solar ou hidratante, a dica é usar o repelente por último. Se for para crianças, ficar atento se o produto é de uso pediátrico.

Sobre os inseticidas em spray ou de tomada os especialistas alertam que ajudam a matar os mosquitos adultos, principalmente em ambientes fechados, por isso a eficácia é limitada. Já o uso de mosqueteiros e telas nas janelas dos quartos ajudam bastante, para que os mosquitos não entrem nas dependências.

Segundo boletim divulgado pela SES (Secretaria Estadual de Saúde) já foram confirmados 671 casos de dengue no Estado. Também consta 2.816 casos prováveis e duas mortes em investigação. 

Fonte: Comunicação do Governo de MS

Casa-da-Saude-Albano-Franco-Foto-Rodson-Lima-4-730x480-1

Casa da Saúde de MS não terá atendimento ao público nos dias de Carnaval

A SES (Secretaria de Estado de Saúde) informa que a Casa da Saúde não terá atendimento ao público segunda-feira (12), terça-feira (13) e quarta-feira (14) pela manhã devido ao ponto facultativo e feriado de Carnaval.

A Casa da Saúde fornece medicamentos disponibilizados pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

Para renovação das solicitações e dispensação de medicamentos o horário de atendimento será das 7 horas às 16 horas, com distribuição de senhas das 7 horas às 15h30.

Para atendimento de protocolo – primeiro cadastro – as senhas são distribuídas das 7 horas às 10 horas, no período da manhã, e das 13 horas às 15 horas, no período da tarde.

Assim, a SES orienta a população a fazer a retirada de medicamento até a próxima sexta-feira (9). O ponto facultativo e feriado foram estabelecidos pelo Governo do Estado por meio de decreto.

A Casa da Saúde retorna com o atendimento normal na quarta-feira (14), após às 13 horas.

Serviço

De maneira provisória, a Casa da Saúde está atendendo no Centro de Convenções Albano Franco, localizado a avenida Mato Grosso, 5.017 – Carandá Bosque, em Campo Grande.

Fonte: SES

download

Vacinação está disponível em unidades de saúde neste sábado (3), em Campo Grande

A secretaria de Saúde (Sesau) realiza plantão de vacinação em duas unidades de saúde, neste sábado (3), em Campo Grande. O atendimento vai permitir o acesso à maioria das vacinas previstas no calendário nacional, com exceção dos imunizantes que necessitam de agendamento, como a BCG.

Segundo a Prefeitura, as unidades também vão oferecer testes de Covid-19. A vacinação para a covid está disponível para determinados grupos, incluindo crianças.

Confira as unidades:

USF Ana Maria Couto

  • Horário: 7h às 17h
  • Local: Rua Mitsuo Daima, residencial Ana Maria Couto

USF Santa Emília

  • Horário: 7h às 17h
  • Local: Rua Boanerges Lopes, 1392, Jardim Santa Emília
fachada-HRMS-foto-Joilson-Francelino-730x480-1

HRMS abre edital com 18 vagas para residências multiprofissional e uniprofissional

A Fundação Serviços de Saúde de Mato Grosso do Sul publicou na quinta-feira (4) a abertura do edital para o acesso aos Programas de Residência Multiprofissional e Uniprofissional do HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul).

Com bolsa no valor de R$ 4.106,09, o edital é destinado aos profissionais graduados nas áreas de Biomedicina, Farmácia e Serviço Social com duas vagas para cada curso, e Enfermagem, Fisioterapia e Nutrição com quatro vagas cada. A carga horária é de 60 horas semanais e duração de 2 anos. 

Conforme o cronograma, as inscrições poderão ser efetuadas a partir do próximo dia 8 de janeiro até o dia 24 de janeiro, pelo site do www.hospitalregional.ms.gov.br . Após a conclusão de todas as etapas do cronograma, a previsão é que o programa inicie em 1 de março de 2024. 

Clique aqui e confira o edital na íntegra.

Fonte: Comunicação HRMS